Dividido entre tênis e basquete, Nick Kyrgios sofre golpe duro dentro de casa

Por DANIEL CASTRO

A derrota do australiano Nick Kyrgios, 21, na segunda rodada do Aberto da Austrália, pode ser considerada um dos golpes mais duros até o momento na carreira do tenista, tido como a maior revelação do país nos últimos anos.

Ele caiu diante do italiano Andreas Seppi, 32, em cinco sets (1-6, 6-7 (1), 6-4, 6-2 e 10-8), após abrir vantagem de 2 a 0. Na última parcial, não aproveitou um match point.

Na primeira vez que disputou a chave principal do Slam australiano, em 2014, Kyrgios também perdeu na segunda rodada, daquela vez diante de Benoit Paire. O francês, porém, era o número 28 do mundo, enquanto o australiano, na época com 18 anos, ocupava a 183ª posição do ranking.

Nos anos seguintes, ele foi às quartas de final, em 2015, quando parou em Andy Murray, e à terceira rodada no ano passado, fase em que foi derrotado por Tomas Berdych. Os dois rivais ocupavam a sexta posição do ranking nos momentos dos confrontos.

Após três eliminações esperadas, o revés diante de Seppi foi a primeira vez que a maior esperança da casa deu motivo para os torcedores em Melbourne deixarem o complexo frustrados e o vaiarem.

 

Kyrgios senta após perder o terceiro set da partida contra Seppi (Aaron Favila/AFP)
Kyrgios senta após perder o terceiro set da partida contra Seppi (Aaron Favila/AFP)


Kyrgios é o atual 13º colocado, sua melhor posição, e venceu seus três primeiros títulos no ano passado. Na primeira rodada, ele havia derrotado o português Gastão Elias em uma hora e 24 minutos. Também por isso, um duelo contra Stan Wawrinka nas oitavas de final era dado como certo.

Pois não acontecerá. Mais do que nunca, Kyrgios tem motivos para repensar como encara sua carreira. Após o jogo, ele mostrou alguma disposição em fazer isso, embora nada leve a crer que ele estivesse sendo sincero.

“Talvez [devesse] não jogar tanto basquete ou levar minha pré-temporada mais a sério”, afirmou, em uma entrevista cheia de ironias. Fã da bola laranja, ele iniciou o ano com uma lesão. Não ficou claro se ela foi provocada ou agravada por partidas da modalidade que ele já disse ser a sua preferida.

O australiano acumula punições por mau comportamento e, em outubro passado, foi suspenso por perder pontos de propósito no Masters 1.000 de Xangai —o Aberto da Austrália marcava seu retorno a grandes torneios.

O estilo das roupas, das correntes e do cabelo, além das declarações polêmicas, faz com que ele ganhe torcedores —impressionou a quantidade de crianças e jovens enlouquecidos na Hisense Arena—, mas também gera muita reprovação. É o clássico caso de amor e ódio provocado pelo esportista “bad boy”.

Antes de estrear em Melbourne, Kyrgios disse que estava pronto para causar “danos maiores” este ano. Talvez ele estivesse falando sobre cestas e enterradas.

PS: com a vitória, Seppi se vingou da derrota sofrida para Kyrgios nas oitavas de final do Aberto da Austrália de 2015. Na ocasião, foi o italiano que abriu 2 a 0, teve match point, mas levou a virada do australiano. Tudo isso na mesma Hisense Arena.