Sharapova em alta e gravidez de Serena embaralham as cartas no circuito

Por DANIEL CASTRO

Serena Williams e Maria Sharapova dominaram o noticiário sobre tênis nas últimas semanas. A americana, ao anunciar que está grávida pela primeira vez. A russa, ao retornar com louvor da suspensão de 15 meses que recebeu após testar positivo em exame antidoping.

Personalidades que extrapolam o esporte e atletas mais bem pagas do mundo segundo a Forbes, Serena (R$ 90,3 milhões no último ano) e Sharapova (R$ 62,5 milhões só com patrocínios) voltaram a embaralhar as cartas no circuito.

A americana de 35 anos, que deve dar à luz em setembro, não voltará a jogar em 2017. Ela afirmou, porém, que a sua vitoriosa carreira ainda não terminou. Aos 36, quando planeja estar em ação novamente, a maior vencedora de Grand Slams da era aberta pode protagonizar o retorno mais espetacular do esporte.

No mesmo dia em que Serena revelou que será mãe, 19 de abril, Sharapova comemorou seus 30 anos. Uma semana depois, para a alegria dos fãs e sob críticas de rivais, a russa entrou em quadra no torneio de Stuttgart como convidada da organização.

Foram três vitórias seguras contra rivais que não apresentavam muito perigo antes de perder na semifinal para a francesa Kristina Mladenovic, 19ª no ranking. Foi o suficiente para aparecer como favorita a Roland Garros, torneio onde ainda não tem presença confirmada, nas casas de apostas.

Sharapova continua agressiva, mostrou evolução no saque e as habituais falhas na rede. Mais importante, quebrou o gelo do retorno e de toda a polêmica que o cercou. É cedo para dizer se ela voltará a ganhar um Slam ou ao número um, mas o circuito ganha com a sua presença.

Sem Serena, o esporte perde uma favorita absoluta em todos os torneios, mas, com Sharapova, ganha mais um nome forte para manter o equilíbrio de forças. Se mantiver o bom nível, é provável que a russa se junte a Karolina Pliskova, Simona Halep, Garbiñe Muguruza e outras cotadas ao topo do ranking, atualmente ocupado pela americana. A segunda colocada, Angelique Kerber, faz uma temporada abaixo do esperado.

Em meio à renovação do tênis feminino, são duas trintonas, quem diria, que voltam a movimentar o cenário.

KVITOVA E AZARENKA

Outras tenistas de ponta que estão afastadas e devem retornar nos próximos meses são a tcheca Petra Kvitova e a bielorrussa Victoria Azarenka.

Kvitova, 27, bicampeã de Wimbledon, foi atacada com uma faca durante assalto a sua casa em dezembro do ano passado. Ela, que ocupava a 11ª posição do ranking na época e hoje é a 15ª, está inscrita em Roland Garros, mas ainda não é possível saber se até o torneio sua mão estará recuperada das lesões sofridas.

Azarenka, também de 27 anos, bicampeã do Aberto da Austrália e ex-número um do mundo, não atua desde a última edição do Slam francês. Em dezembro, nasceu seu primeiro filho, Leo. Ela voltou a treinar no início do ano e, desde então, planeja sem pressa a sua reestreia, programada para o torneio de Stanford, no fim de julho.

Vale lembrar que, antes de anunciar a gravidez, a bielorrussa venceu em sequência os torneios de Indian Wells e Miami no ano passado. Caso reencontrem o jogo de seus melhores dias, ambas podem embolar ainda mais a disputa pelo topo.