Bia Haddad e Thiago Monteiro levam lições valiosas de Wimbledon

Por DANIEL CASTRO

Duas derrotas duras, mas que deixam lições e mostram caminhos para Thiago Monteiro e Beatriz Haddad Maia. Os brasileiros, que coincidentemente são namorados, foram eliminados de Wimbledon nesta quarta (5).

O cearense teve algumas chances de sair de quadra vitorioso sobre o russo Karen Khachanov, cabeça de chave 30, mas errou em momentos cruciais e acabou derrotado por 3 sets a 1 (3/6, 7/6 (5), 7/6 (3), 7/5).

Após uma ótima primeira parcial do brasileiro, os demais sets foram acirrados, mas ele desperdiçou quebras de vantagem no segundo e no quarto, além de dois set-points no terceiro. Ao longo do jogo, teve 18 break-points e aproveitou 3 (17%).

Como o agressivo Khachanov cometia muitos erros não forçados, fazia sentido esperar por eles. Deu certo algumas vezes, mas faltou ao brasileiro tomar as rédeas dos pontos decisivos.

Se há lamento, também fica o aprendizado. Desde que ascendeu meteoricamente ao top 100, no ano passado, Monteiro dava a impressão de ter estagnado. Seu jogo parecia capaz de incomodar apenas no saibro e contra adversários de ranking pior.

Porém o canhoto de 23 anos surpreendeu. Na grama, contra um um dos tenistas mais promissores da temporada, ganhou 77% dos pontos com o primeiro serviço e 63% na rede. Nos mesmos índices, o russo teve 72% e 70% de aproveitamento, respectivamente.

Para quem não havia disputado nenhum torneio sobre o piso antes de Wimbledon, jogar uma segunda rodada em bom nível é digno de comemoração. Com confiança e variações, Monteiro pode ir mais longe.

X

BIA HADDAD

O desafio da paulista era ainda maior. Contra Simona Halep, número 2 do mundo, Bia fez uma partida equilibrada. Chegou a sacar para fechar o primeiro set em 5/3, mas levou a virada e perdeu por 7/5. Na segunda parcial, sua força para permanecer no jogo durou até a metade. Depois, a vice-líder do ranking se impôs e fechou em 6/3.

Diferentemente de Monteiro, a canhota de 21 anos não viu a chance de vitória tão próxima, mas fez com que Halep precisasse elevar seu nível. Faltou sacar melhor (ganhou 57% dos pontos com o primeiro saque) e cometer menos erros não forçados (33 contra 16 da romena).

Bia já mostrou que pode endurecer contra qualquer rival. Agora falta conseguir sustentar esse ritmo por mais tempo.