Jovens tenistas russos se destacam, e país leva vantagem em ‘Guerra Fria’

Por DANIEL CASTRO

Após o tênis masculino da Rússia passar por período de entressafra, o país começa a comemorar os resultados de uma nova geração. Hoje, dos cinco melhores jogadores com menos de 21 anos, três têm a mesma nacionalidade de Marat Safin e Yevgeny Kafelnikov.

No ranking “sub-21”, que classifica sete jovens atletas para torneio em Milão no fim da temporada, o líder isolado é o alemão Alexander Zverev, 20, com 2.710 pontos. Na sequência vêm os russos Karen Khachanov (810) e Andrey Rublev (714). Outro representante do país, Daniil Medvedev é o quinto (607).

Os altos Khachanov, 32º no ranking principal da ATP, e Medvedev, 48º, têm 21 anos e a mesma altura, 1,98 m. Ambos ocupam atualmente a melhor posição de suas carreiras.

Karen Khachanov comemora ponto na partida contra Rafael Nadal em Wimbledon
Karen Khachanov comemora ponto na partida contra Rafael Nadal em Wimbledon (Glyn Kirk – 7.jul.2017/AFP)

O primeiro título de Khachanov veio no ano passado. Nos últimos dois Grand Slams, ele parou nas oitavas de Roland Garros, contra Andy Murray, e na terceira rodada de Wimbledon, diante de Rafael Nadal.

Medvedev ainda não tem títulos, mas aos poucos mostra suas credenciais —e seu pavio curto. No Slam britânico, ele eliminou Stan Wawrinka na primeira rodada. Na partida seguinte, porém, perdeu para o belga Ruben Bemelmans e acabou multado por atirar moedas em frente à cadeira da árbitra Mariana Alves.

Daniil Medvedev comemora vitória contra Stan Wawrinka em Wimbledon
Daniil Medvedev comemora vitória contra Stan Wawrinka em Wimbledon (Andrew Couldridge 3.jul.2017/Reuters)

Nas últimas semanas, quem mais chamou a atenção foi Rublev (na foto do alto da página). O tenista de 19 anos conquistou seu primeiro troféu em simples no último domingo, em Umag (Croácia). Em pouco mais de um mês, ele pulou do 106º lugar para o 49º e fez crescer a expectativa que existe sobre sua carreira desde os tempos de juvenil.

‘GUERRA FRIA’

Entre os cem melhores tenistas com menos de 21 anos, 11 são americanos. Atualmente, nenhuma nação supera a safra dos EUA em quantidade (a França vem em segundo, com 10, e a Espanha em terceiro, com 9), mas por enquanto suas principais promessas não emplacaram.

Se a corrida para Milão terminasse hoje, Frances Tiafoe, em sétimo lugar, seria o único americano classificado. Perto dele estão os compatriotas Jared Donaldson e Ernesto Escobedo.

A transição do juvenil para o profissional costuma ser um momento complexo na carreira do atleta. Nada garante que a vantagem russa sobre os EUA será mantida nos próximos anos, mas neste momento da “Guerra Fria” a vantagem é de Moscou.

Corrida para Milão*

1º Alexander Zverev – ALE – 20 anos – 2.710 pontos
2º Karen Khachanov – RUS – 21 anos – 810 pontos
3º Andrey Rublev – RUS – 19 anos – 714 pontos
4º Borna Coric – CRO – 20 anos – 686 pontos
5º Daniil Medvedev RUS – 21 anos – 607 pontos
6º Hyeon Chung – COR – 21 anos – 505 pontos
7º Frances Tiafoe – EUA – 19 anos – 452 pontos

*Os sete tenistas mais bem rankeados se classificam. A oitava vaga será definida por convite e destinada a um italiano.