Federer, Nadal, Djokovic e Murray nunca se enfrentaram tão pouco

Por DANIEL CASTRO

Ver dois dos quatro principais tenistas da atualidade frente a frente tornou-se raro em 2017. Sete meses após o início da temporada, os integrantes do “Big Four” (leia mais sobre o conceito no fim do post) jogaram entre si apenas em cinco ocasiões.

Desde 2004, o quarteto formado por Roger Federer, Rafael Nadal, Novak Djokovic e Andy Murray protagonizou 217 partidas.

A primeira temporada com número expressivo de confrontos ocorreu em 2006. A partir de então, os quatro tenistas mais dominantes do século fizeram ao menos 11 clássicos todos os anos. O recorde de 24 foi alcançado em 2008 e 2015.

O ano passado, marcado por lesões de Federer (seis meses fora após Wimbledon) e Nadal (ausência em vários torneios), registrou queda significativa: 11 jogos, cinco deles entre Djokovic e Murray.

Em 2017, suíço e espanhol voltaram aos seus melhores dias e já se enfrentaram três vezes, o que não ocorria desde 2013. A temporada ruim para sérvio (fora até 2018 por lesão) e britânico (com problema no quadril), porém, deixou o número de clássicos em um patamar inédito decorridos três Grand Slams e cinco Masters.

Os gráficos abaixo mostram o histórico de confrontos do “Big Four” e de cada um dos seis duelos que marcaram o tênis nos últimos 14 anos.

O ‘BIG FOUR’

O conceito de “Big Four” se refere aos quatro jogadores que dominaram o esporte neste século. Vários dados corroboram essa classificação (a Wikipedia em inglês tem uma página sobre isso), por exemplo: Federer, Nadal, Djokovic ou Murray venceram 45 dos últimos 50 Grand Slams.

Reconhecer esses tenistas como um quarteto não significa dizer que todos têm a mesma qualidade ou o mesmo número de títulos.

É verdade que Murray e Stan Wawrinka têm três troféus em Slams cada um. Essa, porém, é a única estatística que favorece o argumento de quem defende a presença do suíço em um “Big Five” ou a ausência do britânico em um “Big Three”.

Outros dados sobre a carreira de ambos rechaçam a possibilidade de comparação. Veja abaixo:

Murray

Número um do mundo como melhor ranking
Oito vices em Grand Slams
Duas medalhas de ouro olímpicas em simples
14 títulos em Masters
45 títulos na carreira

Wawrinka

Número três do mundo como melhor ranking
Um vice em Grand Slams
Uma medalha de ouro olímpica em duplas
Um título em Masters
16 títulos na carreira