Murray comove e preocupa ao falar sobre possível cirurgia no quadril

Por DANIEL E. DE CASTRO

O tenista britânico Andy Murray, 30, mostrou sensibilidade em um dos momentos mais delicados da sua carreira. Em suas contas nas redes sociais, ele publicou um textão (que chamou de pequena mensagem) para explicar como a lesão no quadril ainda impede um retorno digno às quadras, que era esperado para esta semana, no torneio de Brisbane (Austrália).

É raro ver um tenista —ou atletas, de forma geral— se revelar de forma tão sincera. Comove e mostra respeito, pelos fãs e pelo esporte. Murray explicou que escolheu uma foto antiga para reviver a criança que existe dentro dele que “só quer jogar tênis e competir”.

“Eu realmente sinto muito a falta e daria qualquer coisa para voltar lá. Não havia percebido, até os últimos meses, quanto eu amo esse jogo. Toda vez que acordo tenho a esperança de que esteja melhor, e é desmoralizante quando você vai para a quadra e não está no nível que precisaria para competir”, escreveu.

Ao mesmo tempo em que emociona, a carta também preocupa. O britânico, que até agora tem buscado uma recuperação mais “conservadora”, não descarta passar por cirurgia no quadril, algo que soa alarmante para todos no meio do tênis, principalmente para nós, brasileiros, que acompanhamos de perto o sofrimento vivido por Guga com esse problema.

“A cirurgia também é uma opção, mas as chances de um resultado bem-sucedido não são tão altas quanto eu gostaria, o que fez dessa minha opção secundária. Minha esperança tem sido evitar isso”, relatou.

Por mais que a medicina tenha evoluído desde 2002, ano da primeira cirurgia de Guga, fica claro que a possibilidade de intervenção em uma parte do corpo tão crucial para o tenista ainda deixa os atletas com os dois pés atrás.

Murray não compete em torneios oficiais desde Wimbledon, em julho passado. Caso ele seja submetido a uma cirurgia nas próximas semanas, é provável que complete um ano sem somar pontos no ranking da ATP.

Uma das qualidades e dos defeitos do britânico é a teimosia. Ele disse que ficará na Austrália por mais alguns dias para ver como o quadril reage e decidir se tentará jogar o primeiro Grand Slam da temporada, que começa no dia 15. Parece cada vez mais improvável que isso aconteça.

(clique na foto abaixo para ver a postagem de Murray no Instagram)